A criança que eu fui gostaria de mim agora?



Quando somos crianças é inegável que sonhamos mais, desejamos mais. Não sabemos o que temos que fazer para realizar nossas ambições, apenas as desejamos. Mas a medida que crescemos isso se perde.
Meu primeiro sonho era ser dentista. Gostava de sorrir para tudo e para todos. Gostava de ir no dentista com minha mãe mesmo que fosse só para olhar. Hoje, tenho um pouquinho de nojo.
Depois, quis ser professora de matemática. Adorava números e explicar para as outras crianças como se resolvia cada probleminha. Hoje, bom, estou no Ensino Médio.
Ser professora me acompanhou mais pouco quando decidi ser professora de história. Não sei como nem quando esse sonho morreu em min.
Sonhos de uma criança são as coisas mais puras e lindas. Elas não têm preocupações como as que surgem à medida que crescemos. “Quero viajar ao redor do mundo”, “Quero ser isso, ou aquilo”, “Quero conhecer aquela pessoa”. Não importa qual seja.
Quando eu era criança sonhava com coisas que nem me lembro mais. Sonhava, apenas sonhava. Fechava os olhos e deixava os desejos se transformarem em sonhos.
Talvez meu “eu” do passado não gostasse de mim agora. O seu “eu” gostaria?


Milly






Uma vez você, uma vez eu

Livro: Uma vez você, uma vez eu
Autor: Diego Martello
Editora: Novo Século
Págs.: 181
Nota: 4/5


Sabe aqueles livros que você entre uma página e outra para e olha para o nada refletindo sobre a vida? Então, esse é um desses livros.

Algo malfeito hoje se torna uma base fraca para os acontecimentos de amanhã [...]

Willian parece ser o perfil idealizado por boa parte das pessoas: tem uma boa casa, uma esposa que o ama, sua carreira está em ascensão. Tudo parece nos trilhos a primeira vista, mas nem tudo são flores. Depois de uma briga feia (bem feia) Marcos e Willian, pai e filho, tentam se reconciliar. Mas não vai ser nada fácil diante das dificuldades que vão se impor pelo caminho.

Além disso, Willian está passando por outras tribulações em sua vida: uma nova proposta de emprego que pode mudar tudo e sua esposa que não consegue engravidar por mais que tente arduamente.

Era como se eu tivesse abandonado meu passado em um lugar seguro e de fácil acesso, porém, quando fui matar a saudade e lhe fazer uma visita, ele já não estava onde eu o deixara.

Diante do enredo, colocações sobre a vida, escolhas, momentos são colocados. Questionamentos são feitos.

Quando comecei a ler o livro, tinha altas expectativas que foram atendidas. Não é um livro que conta uma história de amor, ou até mesmo o foco central não é o relacionamento do pai e do filho, mas sim as reflexões propostas na consciência de cada um.

Eu particularmente gostei bastante do livro. Me fez refletir de uma maneira diferente do que outros livros já fizeram. Eu demorei um pouquinho para me prender a história e os capítulos são longos, o que eu não curto muito, mas isso é pessoal.  Em geral, é um ótimo livro que mudou minha concepção sobre vários assuntos e me fez repensar certas atitudes.

Não simpatizei muito com o final, foi surpreendente (não esperava por aquilo), mas não foi um dos meus favoritos.

Você é como uma música que toca nos ambientes em que entra. Cabe a você ser agradável ou não.

Recomendo para quem gosta de:

·        Livros curtos
·        Leitura rápida
·        Refletir enquanto lê

Compre o livro: Saraiva 
Instagram do autor: @diegopmartello


 Milly




Não era Amizade; era Falsidade


O relacionamento é fator essencial para a conservação da nossa saúde mental e, de um modo mais amplo, para a perpetuação das espécies. Talvez, por relações serem tão importantes, seja tão difícil praticamente impossível relacionar-se harmoniosamente com todos à nossa volta.
No caso da família é inevitável à convivência. A não ser que você faça a Natasha do Capital Inicial e fuja de casa na manhã do dia errado. Brincadeiras a parte, a relação com a família às vezes é complicada, mas é essencial pra construção do adulto que seremos. Talvez você não entenda, talvez você só perceba isso bem tarde e talvez você nunca se toque até seu filho lhe dizer: “Mãe, você tá fazendo igualzinho a vovó!”
No caso das nossas amizades, há duas características básicas que diferem da relação familiar: o fato de as escolhermos e de podermos desfazê-las quando necessário sem elo sanguíneo que continuem a nos unir.
Discussões, brigas, divergências entre amigos é algo admissível. Traição, não! Apesar de não ser aceitável, ocorre nas melhores famílias. Quem nunca foi vítima daquela bestque confiava tanto? Aquela mesma que demos a mão e ela nos apunhalou pelas costas...
Doi, doi muito. A tendência é achar que todas são iguais a ela, que nunca mais teremos melhores amigas. A boa notícia: Ela é minoria e nunca terá uma melhor amiga porque ela será ruim com todas que confiarem nela.
Os amigos são os familiares que escolhemos. E graças a Deus por isso! Logo, mais cautela, menina! Já pensou o quão louco seria se nossos amigos fossem acontecimentos inevitáveis como irmãos/família? Pois bem, não são. Pare e reflita: quem escolheu a falsiane para ser sua best friend foi você; quem permite que ela continue participando de sua vida é você.
Então, tome as rédeas da situação. O sofrimento é inevitável, afinal você teve o seu coração quebrado por quem gostava muito. Mas vai passar. No mais, se você decidir continuar a conviver com pessoas que a qualquer momento possam se virar contra você, lembre-se: Se for nadar com tubarões, não sangre!
E não sangrar nesse mundo cruel é inevitável.


Tetê




Aquisições da bienal



         Oii meus queridos! Vamos falar de bienal? SIIIMM! Então, eu fui do dia 07/09 e foi muito bom. Vou mostrar os livros que comprei junto com os preços e falar um pouco de como foi o bate papo com a Gayle Forman (mozão da minha vida).

Livros:

·        Meu livro. Eu que escrevi.:
Rony Phillips – R$ 25,90   


·        ABC do Amor: - R$ 20,00
A.C. Meyer
Brittainy C. Cherry
Camila Moreira       


·        Réquiem:
      Lauren Oliver – R$ 5  


·        Serena
      Ron Rash – R$ 9,90   



Bate Papo:

O bate papo foi mediado pela Paula Pimenta e outra moça (não lembro o nome gente) e foi muito divertido, Gayle deu algumas informações muito interessantes:

1º: A própria Paula disse que tinha gostado mais de “Para Onde Ela Foi” do que de “Se Eu Ficar” (o primeiro é sequencia do segundo) e perguntou se haveria filme dele também. Gayle disse que não podia dar uma resposta direta para isso, mas que está ouvindo os fãs que pedem muito isso (OPA! ACHO QUE ISSO FOI UM SIM).

2º: A mediadora perguntou qual a diferença dos livros com personagens jovens para o novo livro da autora “Quando Eu Parti”, a resposta foi que nesse novo romance existem menos cenas de sexo por que a história é com adultos e ela é realista. (muitos risos nesse momento).

3º: Foi perguntado se o novo romance [Quando Eu Parti] viraria filme. Gayle disse que, infelizmente, Hollywood tem um problema com mulheres de meia idade (protagonista) e quem não tem interesse nenhum em produzir um filme desse livro. Além disso ela disse que já vendeu os direitos dos outros para o cinema, mas que o mais cenográfico de todos não desperta vontade em produtores.

4º: Uma menina (que eu fiquei amiga depois inclusive) perguntou se teria uma continuação para “Quando Eu Parti” e Gayle disse que não, é um livro só.
Além disso, tudo as duas autoras falaram sobre viagem, intercambio e como isso mudou a vida delas. Para finalizar, vou deixar uma listinha de livros que despertaram minha curiosidade durante a beinal.

·        A Vampira
·        Boston Boys
·        Mr. Romance


Milly




O Ar Que Ele Respira





Livro: O Ar Que Ele Respira
Autora: Brittany C. Cherry
Editora: Record
Págs: 305
Nota: 5/5

“A magia é viver todos os dias e se permitir respirar e ser feliz.
Meu querido, a magia é amar. Quando você ama de verdade, quer a felicidade da pessoa muito mais do que a sua própria.Vou procurar um novo sonho,
porque nunca somos velhos demais para sonhar, para descobrir um pouco de magia.”



Elizabeth ainda sofre com a perda do amor da sua vida, Steven, seu marido, mas se recusa a desistir de tudo por causa de sua filha. Mesmo um ano depois ela ainda sente a dor de acordar todos os dias sem ter ele por perto. Morando na casa de sua mãe, vê que não está fazendo nenhum progresso em relação a reconstruir sua vida. Então decide voltar para sua própria casa, mas nem tudo está o mesmo na velha vizinhança.

“A pior parte de perde uma pessoa amada é que você também se perde.”

Tristan compartilha de uma dor parecida com a de Eliza, perdeu sua esposa em um acidente de carro, mas seu filho estava junto. Seu mundo desmorona de uma só vez e ele se vê mais perdido do que nunca. Decide se mudar para longe das lembranças, mas nem pode imaginar o que está prestes a acontecer.

“Pensei que teria tempo, mas às vezes o amanhã nunca chega e você acaba sozinho com as memórias do passado.”

O novo vizinho da recente viúva é alto, tatuado, bonito e misterioso.

A nova vizinha do recente viúvo é loira, bonita, e parece carregar o mundo nas costas.

“Ela era simplesmente o ar que eu respirava.”

“São os dias ruins que tornam os bons ainda melhores.”

Ambos estão perdidos, devastados, com dores maiores do que parecem carregar. Todos a dizem para manter distancia do homem louco que corre descalço pelas ruas e que é arrogante com todos, mas ela não consegue, se sente estranhamente atraída por todo o mistério escondido por de baixo da barba do lindo homem.

— Quando é que a vida vai parar de nos machucar?
— Quando a gente aprender a dizer foda-se e
passar a se concentrar nas pequenas coisas que nos fazem sorrir.”

Talvez eles demorem para descobrir mas o melhor caminho para curar um coração partido, é deixar que outro o concerte, mesmo que esse esteja mais partido ainda.

“Sabe aquele lugar entre os sonhos e os pesadelos? Aquele lugar onde o amanhã não chega e o passado não dói mais? O lugar onde seu coração bate em sintonia com o meu? Aquele lugar onde o tempo não existe e é mais fácil respirar? Quero viver nesse lugar com você.”

“As pessoas falam muito e se atrevem a dar conselhos sobre como superar o luto.Elas dizem que você não deve namorar por anos, que deve esperar o tempo passar, mas a verdade é que não existe tempo para o amor. A única coisa que importa para o amor é a batida do seu coração. Se você ama, não deixe isso te atrapalhar.
Apenas se permita sentir novamente.”


Eu amei a capa logo de cara, o moço lindo que está ali condiz certinho com o Tristan. Li o livro em cerca de quatro dias. Prendeu-me de uma forma incrível, mas não fiquei surpresa, já que eu amo a Brettany.

O enredo te envolve, eu queria entrar em alguns momentos. Os personagens são muito bem construídos com personalidades diferentes. Eu amei (do fundo do meu coração) a Faye, melhor amiga de Elizabeth. Ela é maravilhosa (chorei um pouco por não ser como ela). Mas a maldição da melhor amiga não ocorreu (caso você não conheça, é quando a melhor amiga da personagem principal é muito mais legal que ela e rouba totalmente a cena).

Enfim, Brittany mas uma vez\ mostrou por que eu a amo tanto. Caso você queira ler uma resenha de outro livro dela, é só CLICAR AQUI e será direcionado para a resenha de Sr. Daniels que também é lindo.

“E aprendi o quanto dói ter que finalmente dizer adeus.” (doeu muito fechar esse livro)

OBS: Esse livro faz parte de uma série que não se interliga de quatro elementos.

1º O Ar Que Ele Respira
2º O Fogo Que há Entre Nós
3º ***
4º ***

Recomendo para quem gosta de:

·        NA
·        Cenas mais calientes
·        Ficar totalmente preso/envolvido
·        Um romance bem dramático

·        Chorar (só um pouquinho ta? O final é lindo)


Milly







Memórias - Parte 1



Seus olhos castanho-claros estarão gravados em minha mente, suas risadas altas e contagiantes junto ao seu sorriso estarão em minha memória pelo resto da eternidade, mesmo que não possa ser meu, isso nós dois sabemos. Mesmo que não selemos nossos laços em matrimonio, os anjos sabem o quão te amo e o que você me fez, ao mesmo tempo em que conheci o doce pude provar do amargo.

Lembro-me de quando nos conhecemos, aquele seu sorriso de canto me acanhou, quase que as palavras não saíram de minha boca, você foi tão gentil e paciente, naquele instante me perguntei se nossos destinos estavam selados. Entretanto ela estava ali, escondida atrás da porta nos observando e criando um futuro ao seu lado, sortuda ela, o destino estava ao seu lado naquele momento.

Pude ver o tempo passar rapidamente, tomando de nós momentos inacreditáveis apenas os mantendo em nossos corpos, me via contente e sonhadora, mas tudo desmoronava ao vê-la cada vez mais empolgada com a cerimônia que estava por vir, eu não poderia fazer tamanha crueldade com ela, não com ela.

Ela parecia encantada com seu enorme vestido branco rendado, sua tiara pairava em sua cabeça, juntamente ao véu, como uma princesa. Seu sorriso era incrível, ela poderia ser considerada a mulher mais bela que o mundo já viu, podia ver a inocência em seus olhos... Ela não poderia saber o que existiu entre nós, não poderia nem imaginar... Esse seria nosso segredo, não apenas por nós, mas por ela. Ela é uma das pessoas que mais amo em minha vida, não poderia ver aqueles olhinhos brilhantes cheios de lagrimas e aquele sorriso sumir, não por minha culpa.

Não percebemos, todavia a hora de estar no altar já chegara. Entrei na igreja, meu foco era você sorrindo levemente para mim, por um instante desejei gritar que te amava, também desejei correr até você e te abraçar, desejava tanto estar em seus braços uma última vez. Parei no altar, nossos olhares eram fixos um no outro, a pequena de olhos azuis havia entrado deslumbrante e seu longo vestido de noiva, mas era incapaz de encará-la, as vozes não deixavam.
As vozes sussurravam coisas que me causavam angustia e inveja, me culpavam por estar ali e me obrigavam e imaginar... Eu estava ao seu lado no altar, nossos votos ditos perante a Deus, enfim as alianças e declarados pertencente ao outro, seus olhos estavam penetrantes em mim com um ar de felicidade. Porém tudo não passava de uma ilusão criada pela minha mente, eu estava ao lado das outras cinco madrinhas trajada de lilás, eu seria testemunha da felicidade de um casal e da minha queda.

Cada vez mais as vozes ficavam mais altas, não aguentava mais aqueles gritos e seu pequeno sorriso para mim, seu olhar culpado, poderia jurar que era apenas uma farsa para me fazer ficar, no entanto perdi meu controle e corri, ignorei as falas dos convidados e sai da igreja, me escondi de todos, menos delas...

Desculpe-me por não ser forte o bastante por nós, por me afastar, por não manter minha promessa ou por não aceitar ter uma vida ao seu lado, não se isso custasse a felicidade dela... Desculpe-me por fugir, não persistir, pelas palavras duras e pela rejeição.

Obrigada por ser meu herói, por ser meu, por me fazer sorrir em meio a lagrimas... Obrigada por todas as declarações e presentes, também agradeço pelos beijos e toques marcados em minha alma.

Saiba que mesmo com todos nossos defeitos, brigas, distancia, medos e decepções, você foi meu melhor erro. Foi meu primeiro amor, foi o primeiro e único a me ter, foi o único que me completou, e nós dois somos os culpados por tudo isso se partir, agora sou metade de uma pessoa, metade de um céu, metade de um coração e logo serei poeira.

Eu juro para você que lutei contra elas, você mesmo sabe disso, você me acolheu,espantou as sombras, cuidou de mim e limpou minhas lagrimas... Você foi meu cavaleiro e eu sua dama, por alguns instantes, míseros instantes que me salvaram muito, lembrar desses momentos uma vez me senti segura. Agora eles me abominam e são a causa dos gritos delas, elas machucam minha pele, deixam que lágrimas escorram... Elas sempre estiveram aqui, mas você me protegia, agora que você está longe posso sentir elas me usando como marionete.
O que desejo é que faça Annelize feliz e não se esqueça de mim, farei o mesmo. Mas agora preciso me livrar delas, preciso que parem de uma vez por todas e me deixem lembrar em paz pela eternidade de minha felicidade.

Todas aquelas sombras e gritos em minha mente, logo sumirão...

Não se sinta culpado, meu fim não é sua culpa, é uma falha minha, foi minha fraqueza e meus medos... Ninguém nunca pode controlá-las totalmente... É o único jeito que irei me sentir livre... Mesmo que doa em você, lembre-se que agora todo aquele sofrimento acabou todos aqueles medos desapareceram, e posso lembrar de você sempre, posso te amar eternamente, posso estar com você sempre...

Eu te amo.
Eu preciso de você.
Eu preciso do meu herói.
Preciso de paz.
Adeus...

Te amarei pela eternidade.

Ísis




ENGOLE O CHORO



"Engole o choro" minha mãe dizia. Eu ria e me perguntava como isso seria possível. Hoje sei o significado. Perdi a conta de quantas vezes respirei fundo, segurei as lágrimas e olhei para cima como se isso fosse impedir de deixá-las cair. Como engolir o choro quando a dor mal te deixa respirar? Essa coisa de engolir o choro só funciona quando a gente é criança.

 "Engole o choro" eu ouvia. E de tanto engolir as lágrimas, aprendi a engolir mágoas, julgamentos, palavras, sofrimento. Aprendi a ficar em silêncio, e hoje sou muda para dizer o que sinto. Eu tentei. Eu juro que tentei engolir o choro, mas fui afogada pelas lágrimas.

 "Engole o choro" ma mandavam. Hoje já virou rotina ter que me isolar num canto para chorar. Porquê segundo a sociedade, demonstrar é fraqueza. Então eu não posso chorar, não posso sentir.

  Dói segurar o choro. Engolir as palavras, limpar as lágrimas que insistem em escapar. Dói o silêncio lá fora, o barulho excessivo aqui dentro e principalmente a dúvida. As palavras já não expressam nem a metade de tudo que sinto… Nem mesmo o sono sabe como aliviar. O acúmulo me fez fraquejar essa noite.

 "Engole o choro" eu me disse. E de tanto me obedecer, transbordei.     


Laryssa